11/01/2011

saudosas bolachas (23/1973

saudosas bolachas, bolachas queridas....
voltando a toda, a toa, em 2011.



SEBASTIÃO TAPAJÓS, MARIA NAZARETH
E ARNALDO HENRIQUES
TAP” (1973)

Sebastião Tapajós (Santarém, Pará, 1944) é um compositor e violinista com formação Clássica obtida durante a sua juventude quando estudou, durante os anos 60, no Conservatório Nacional de Musica de Lisboa, Portugal e no Instituto de Cultura Hispânica em Madri, Espanha. De volta ao Brasil começou a lecionar violão clássico no Conservatório Carlos Gomes de Belém.
Uma visita ao Rio de Janeiro o colocou em contato com os músicos do Beco das Garrafas, com a sonoridade samba jazzisitica que efervescia. Dai, começou a colocar sua musicalidade e seu virtuosismo a serviço deste genero musical. O violão de Tapajós esta presente em várias gravações do Zimbo Trio, de Paulo Moura, Hermeto Paschoal, Oscar Peterson e Astor Piazolla.
Em 1973, ele montou um show com dois cantores e uma Trio com musicas suas, de Baden Powell e outras bossas. Este show fez temporada na Argentina onde a gravadora Trova produziu e resultou num belo albumç que traz Tapajós no violão, arranjos de Oscar Cardoso Ocampo, Mário Fernandez no baixo, Enrique Roizner na bateria e Maria Nazareth e Arnaldo Henriques nos vocais.
Um disco repleto de sabores e com o embalo rítmico do samba jazz.

Samba Triste (Baden Powell / Billy Blanco)

“Tamborim de Prata”(A. Henriques / Criz Tapajós)

“Samba da Minha Terra” (Dorival Caymmi)




MÁRCIA
RIMAS” (1973)

Marcia Elizabeth Raimundo Barbosa (São Paulo, 1943), ou apenas Márcia. Cantora de voz marcante e envolvente. Começou a cantar profissionalmente no fim dos anos 50 na TV Tupi com o maestro Erlon Chaves. Começou a cantar em várias rádios de São Paulo e Rio Grande do Sul. Apresentava-se tambem em casas noturnas , nos conhecidos redutos de Bossa Nova em São Paulo. Com os Festivais da Excelsior e Record ela se tornou mais relevante no cenário musical brasileiro interpretando “Eu e a Brisa” (Johnny Alf).
Em 68 grava o seu primeiro album pela Odeon, com “Eu e a Brisa”, “Pra Machucar Meu Coração”(Ary Barroso), entre outras canções.
Ligada ao samba canção e ao samba jazz, Marcia durante os anos 60 e 70 gravou discos interessantes. Em 73, jovem e inserida num contexto sócio-musical pulsante, ela grava “Rimas”, um disco recheado de sambas tranquilos, cantados com amor e tesão.
Seu canto leva a modernidade de seu tempo e tem aquele gosto feminino que em bossas, sambas e canções brasileiras ganham uma dimensão cativante.

“Última forma” (Baden Powell, Paulo César Pinheiro)

“É mais um samba” (Walter Santos, Tereza Souza)

“Chorar chorei” (Édson, Aloisio)







2 comentários:

Anônimo disse...

Grandes craques da musica
Parabens!!!
Antonio Adolfo

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

Antonio, craques como vc.
obrigado pelo comentário e q este ano a gente possa escutar mais novidades de vc.
abs
e saudades
Paul