03/03/2009

Saudosas Bolachas, 1971/ 02

A LUZ DA BOSSA NO ANO DE 1971

“Na minha infinita tristeza, aconteceu você.”

NARA LEÃO
“10 ANOS DEPOIS” (1971)
Espírito irriquieto, cantora naturalista, dedicada e intuitiva.
Nara Leão foi a adolescente solar de 14 anos de idade interessada em melhorar sua técnica no violão, que um dia entrou na academia de musica de Carlos Lyra e Roberto Menescal em 1956 e dai nasceu uma amizade, um afeto que culminaria em reuniões no apartamento onde ela morava.

Na sala de estar da familia Leão, os amigos músicos e poetas da filha caçula confabulavam a Bossa Nova.
Deste cenário nasceu uma cantora.
Há um tipo de cantora que tem grande domínio vocal e quando cantam deixam clara esta técnica. Um caso assim, foi Elis Regina.
Nara Leão foi o oposto. Desde o começo de sua carreira, quando gravou seu primeiro disco em 64 (Nara) dando preferência a sambas do que a bossas (o que causou certa surpresa na epoca pois era conhecida pela midia como Musa da Bossa) ficou patente o estilo desta cantora que dá a impressão que cantar faz parte natural do seu jeito de ser, como que falar.
Tudo que sai da voz de Nara sai sem força, no sentido de exasperação, e revela um tom plausível de deleite pelo que é e pelo que canta. Uma voz perfeita para a Bossa Nova. Uma voz perfeita para os anos 60, periodo em que Nara foi Musa da Bossa Nova, cantora de protesto no Teatro Opinião, fez sucesso estrelar
com a “Banda” de Chico Buarque e ainda, fez parte do Tropicalismo, com Caetano, Gil, Gal, Mutantes e companhia.
Em 1970, com 28 anos de idade e 12 discos gravados, Nara voltava de um período de auto exílio de quase dois anos que vivera entre a
Itália e a França junto com seu marido, o cineasta Cacá Diegues. Já não lançava um novo trabalho desde 69 e trazia debaixo do braço uma série de gravações que havia feito na Europa vivendo uma idéia do Brasil no exterior. O resultado viria no primeiro album duplo da historia discográfica brasileira: “Nara Leão, 10 Anos Depois” lançado no ano e na graça de 1971.

“10 Anos Depois
” é um albúm duplo recheado de 24 bossas, como os clássicos “Garota de Ipanema” , “Chega de Saudade”e “Samba de Uma Nota Só” e outras bossas, e outras ainda, nem tão clássicas porem belissimas com a produção de Roberto Menescal , dando ao disco uma sonoridade acústica a base de um violão, uma flauta e uma percurssão muito suave; e com a voz ( brisa solta, baixa e leve ) de Nara Leão.
Um disco indispensável no coração da música brasileira.

Escutem “Esse Seu Olhar” (Tom Jobim) na voz de Nara em “10 Anos Depois”.


3 comentários:

Cristiane A. Fetter disse...

É muito bom ouvir a Nara.
Eu tenho um cd onde ela canta várias músicas.
Uma pena termos perdido esta cantora.
bjks

PAUL CONSTANTINIDES disse...

vc tem razao Cris.
se vc gosta de bossa nova, este disco dela eh bom demais, tem em CD.
me lembro qdo estava no primario, a nossa bandinha escolar tocava a "Banda" e a professora todo a hora tocava o disquinho com a voz da Nara...:estava a toa na vida/ o meu amor me chamou...
muito legal
abs
paul

Anônimo disse...

Nara os joelhos, a voz da Bossa Nova, do Tropicalismo e da MPB.
Bem lembrado aqui.
Muito bem lembrada.

Joel