18/03/2010

Saudosas Bolachas (06/1973)



03 BAMBAS NO SAMBA!


PEDRINHO RODRIGUES E OS NACIONAIS
“ESTÂO VOLTANDO OS BONS TEMPOS”(1973)

Pedro Ayrton Rodrigues, ou apenas Pedrinho Rodrigues é cantor e compositor sergipano que depois de desfrutar ,durante a sua adolescência, o sucesso na Rádio Liberdade de Aracaju com sua substancial voz interpretando sambas e boleros. Em 1956 ele se mudou para o Rio de Janeiro onde logo foi notado e bem recebido nas casas noturnas. Com o tecladista Ed Lincoln chegou a formar um grupo que tocou durante alguns anos pelas noites cariocas.
Gravou seu primeiro álbum em 1962 com o sugestivo titulo “Tem que Balançar”. Este álbum lhe conferiu o titulo de “Sambista do Ano” pela Rádio Globo e devido ao grande numero de cópias vendidas sagrou-se “Disco de Ouro”.
Pedrinho Rodrigues trata-se de um sambista da gema. Sua veia artística traz um batuque e um gingado que lhe confere uma magnitude diferenciada.
No início dos anos 70 Pedrinho apresentou uma série de álbuns interessantes com grupos de bateria retirados de escolas de samba e com arranjos de músicos ligados a gravadoras com formação jazzística.
Este encontro confere ao samba de roda e de exaltação de Pedrinho um tom moderno e que desemboca nos anos 70 como uma pétala de samba luxuoso.
“Estáo Voltando os Bons Tempos” é um belo exemplo da criativade de Pedrinho Rodrigues, de seu suingue e sua contemporaneidade.

Lata D'água (Luis Antônio / Jota Júnior) Levanta Mangueira (Luis Antônio) Zé Marmita (Luis Antônio / Brasinha)

Lamento da Lavadeira (Monsueto / Nilo Chagas / João Violão)

A Voz do Morro (Zé Keti)

A Fonte Secou (Monsueto / Tufic Lauar / Marcléo)



JOÃO ROBERTO KELLY E OS PAGODEIROS
“UM PIANO SOBE O MORRO”(1973)

João Roberto Kelly é o pianista de formação clássica e influência jazzística que subiu o morro e abraçou o samba.
João Roberto Kelly aprendeu a tocar piano durante a infância com a professora Zélia Lima Furtado no Conservatório Brasileiro de Musica. Além do piano, Kelly se dedicou ao Direito e se graduou como advogado em 1955.
Mas a musica falou mais alto em sua vida e foi através do Teatro que ele ingressou profissionalmente no mundo da produção artística. Ele musicou a peça de Teatro de Revista “Sputnik”. Em 1961 começou a tocar para Elza Soares e depois começou a acompanhar Elizeth Cardoso.
Kelly começou a trabalhar para a TV Excelsior fazendo vinhetas para aberturas de programas e diversos quadros de programas.
Neste período fez sucesso compondo marchas de carnaval, como a “Cabeleira do Zezé’(João Kelly/Roberto Faissal) e “Joga a Chave Meu Amor”.
Em 1973 João Kelly com o grupo Os Pagodeiros grava “Um Piano Sobe o Morro”.
O disco pode ser resumido como o encontro da cuíca com o piano.
Traz o suingue compactado de sambas como “Ninguem Tasca”(Mario Pereira/João Quadrado) , “Tem Capoeira” (Batista da Mangueira) e o “Rancho da Praça Onze”(João Roberto Kelly/Chico Anisio).

Moreninha da Vila (João Roberto Kelly)

Tem Capoeira (É Bom Segurar) (Batista da Mangueira)

Ninguém Tasca (O Gavião) (Mário Pereira / João Quadrado)

Rancho da Praça Onze (João Roberto Kelly / Chico Anísio)




MARCOS MORAM E O SAMBA SOM SETE
"TRANSASAMBA" (1973)


Puro samba.
Puro ritmo popular misturado ao requinte de um grupo sintonizado com um vocalista tranqüilo que distribui pelas canções uma afinação substancial.
O Samba Som Sete foi um grupo formado dentro da Escola de Samba Unidos de São Carlos (hoje Estácio de Sá). Nos anos 70 ele criaram um reduto chamado “Casa de Bamba”. Participaram de gravações com Pedrinho Rodrigues, João Roberto Kelly e Martinho da Vila.
Nos anos 70 grupo contratado pela gravadora Caravelle, um selo dedicado a produzir discos de sambas para tocar em rádios, bares, botecos e feiras: o dito sambão.
Em 1973 reunidos em torno de um novo nome da gravadora Marcos Moram (nome artístico de um cantor até agora desconhecido), o Samba Som Sete fez um disco de fluência e riqueza rítmica.
Partindo de um repertório contemporâneo, com inclusões de Chico Buarque e Novos Baianos, em “TransaSamba” alcançam um belo momento musical.

Partido Alto (Chico Buarque)

Besta É Tu (Pepeu Gomes / Moraes Moreira / Galvão)

Do Lado Direito da Rua Direita (Luis Carlos / Chiquinho)

Pagode do Vavá (Paulinho da Viola)

4 comentários:

pituco disse...

grande paul,

sempre jogando fosfato em nossa memória...é verdade, havia os 'sambões'...as casa noturnas só tocavam isso...hoje, pelo que tenho notícia, o lance é outro...hehehe

abraçsons

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

é pituco
sambão puro anos 70.
valeu o comentário.
abs
paul

fernanda disse...

paul finissima seleção...........
ouvi um tiquim... porque acabo de chegar do trabalho e o sono me pegou, mas vou preciso cada seleção de lp... então,
logo volto!

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

obrigada fernandinha.
abs
paul