20/01/2009

Saudosas Bolachas_09

A LEVEZA PERANTE A DUREZA DE 1970.

Dois discos em 1970 registram bem a leveza da canção brasileira. Um pelas mãos, pela voz e suingue carioca de um já consagrado compositor e cantor Jorge Ben; o outro pela voz rouca e versos simples de um compositor pernambucano, semi desconhecido, que acabou perambulando pelo Rio de Janeiro; Paulo Diniz.

JORGE BEN
“FORÇA BRUTA” (1970)

Jorge Ben quando menino admirava os vozeirões de Nelson Gonçalves e Cauby Peixoto que ouvia tocar no rádio de sua casa no Rio Comprido, Rio de Janeiro. Durante a adolescência aprendeu a tocar violão e a cantar os rocks americanos que ganhavam o mundo. Nesta época se tornou amigo de Tim Maia através de uma rivalidade. Ambos disputavam o título de “Babulina” do bar Divino; em outras palavras, o titulo de melhor cantor de rock naquelas paragens.

Escutem “Terezinha” (Jorge Ben Jor), uma das pérolas deste disco de
1970.

Em 1970, com 27 anos de idade, Jorge Ben já havia gravado 06 discos (desde 1963); estourado com sucessos autorais como: “Mas Que Nada”, “Chove, Chuva”, “País Tropical”,“Que Pena” e “Charles Anjo 45”.Desde o comeco de sua carreira fora definido como “moderno”. Seu estilo de tocar violão rapidamente não casava com o samba vigente, nem com a bossa; estava mais para rock. Porém seu balanço e seu suingue que iam “do samba ao maracatu” , estavam mais para ritmos brasileiros do que americanos. Desta sensibilidade musical e capacidade de transformar estilos musicais num unico ritmo hibrido ; Jorge Ben trouxe frescor e balanço a canção brasileira de forma definitiva.
“Forca Bruta”, é um disco de continuidade na carreira de Jorge Ben; que nos anos 60, agraciado pela Samba Jazz, tocado pela Jovem Guarda e louvado pelo Tropicalismo; chega em 1970, sendo ele mesmo, lançando um disco praticamente acustico, autoral,
com sua essência rítmica e capacidade criativa intacta.

PAULO DINIZ

‘QUERO VOLTAR PRA BAHIA”(1970)

Paulo Diniz nasceu em Pesqueira, Pernambuco, no ano de 1940. Passou dificuldades na infância e trabalhava desde criança numa fábrica de doces. Durante a adolescência viveu no Recife trabalhando como locutor de lojas comerciais. Perambulou pelo Nordeste mas seu destino sorriu no Rio de Janeiro quando em 65 conseguiu um emprego de locutor na Rádio Globo. A música que sempre o acompanhava começou a ocupar mais a sua vida desde então. Produziu e gravou m disco em 67 “Brasil, Brasa, Braseiro” com forte influência da Jovem Guarda. Sua música “Chorão” foi um sucesso naquela epoca.
Em 1970, desligado da Jovem Guarda e mais ligado aos ritmos de suas origens, Paulo Diniz produz um disco leve e cheio de suingue. Com sua voz rouca, seu violão solto e acústica leve; deixou um marco lírico dos anos 70 no disco “Quero Voltar Para Bahia”.
Neste trabalho ele faz uma leitura particular e popular de movimentos musicais como Jovem Guarda e Tropicalismo com versos simples e diretos.

Canções como “Ponha Um Arco-Iris na sua Moringa” e “Marginal III” demonstram bem esta tendência do disco, que teve como maior sucesso a faicha titulo “Quero Voltar Para Bahia”.

Se você não se lembra da canção, pode ouvir agora, basta clicar na seta abaixo.

Viva o ano de 1970!



4 comentários:

todoyda disse...

Essa música é ótima, já tinha ouvido na voz de outros intérpretes.

Depois passa lá em casa que tem um meme para você.

Anônimo disse...

BOMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMBJUSSSSSSSSSSS
Edu

zk disse...

Carai, fantastico. Esse caboclo fez parte de minha vida! Foi minha trilha sonora /casamento...
Putz, o bixo tocou aqui na monha "zareas" e não pude ir!
Porem vou relembrar dele agora, to mando um chop p destrair...
XeRO No GaNgOtE!

zk disse...

Parabens, otimo acervo! Boa iniciativa!