17/09/2009

QUANDO O JAZZ ABRAÇOU O SAMBA (02)

Stan Getz e João Gilberto
“Getz/Gilberto” (1964)


Em 64, dois anos depois de ter gravado com Charles Loyd o album “Samba Jazz” que introduziu a Bossa Nova nos Estados Unidos, o saxofonista Stan Getz não teve duvidas e foi atrás da fonte.
Em outras palavras, ele buscou a fonte, e em 64 reuniu-se em um estudio em NY com alguns dos expoentes da Bossa Nova do Brasil; nada mais e nada menos de que com João Gilberto, seu violão e voz, Tom Jobim, com suas musica e piano; Sebastião Neto, legendário baixista do Beco das Garrafas ; Milton Banana o baterista da primeira hora da Bossa e a envolvente cantora Astrud Gilberto.
O resultado foi o album: “Getz/Gilberto”.
A alquimia resultante deste disco criou uma febre nos Estados Unidos e na Europa chamada : Bossa Nova.
A faixa Garota de Ipanema se tornou uma das mais executadas naquele ano e por decadas perdourou como uma das mais tocadas no mundo inteiro.
O disco foi o primeiro disco de Jazz a ganhar o Grammy de “Melhor disco do Ano”.
As revista “Rolling Stones” considera o disco como um dos 500 mais importantes de todos os tempos.

Sebastiao Neto, Jobim, Getz, Gilberto e Milton Banana.


A revista “Vibe”, por seu lado, considera “Getz/Gilberto” entre os 100 albuns indispensáveis do seculo 20.
Este disco abriu as portas do mercado fonografico norte-americano para diversos musicos brasileiros; dentre os quais : Joao Gilberto, Tom Jobim , Carlos Lyra, Sergio Mendes, Eumir Deodato , Jorge Ben e outros.
Abaixo voce podera ouvir na sequencia em que foi gravado a integra do album “Stan/Getz”.
Um disco realmente importante na história da musica brasileira e uma pérola musical de grande valor.

The girl from Ipanema (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)

Doralice (Dorival Caymmi/Antonio Almeida)

Para Machucar Meu Coração (Ary Barroso)

Desafinado (Antonio Carlos Jobim/Newton Mendonça)

Corcovado (Antonio Carlos Jobim)

Só danço samba (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)

O Grande Amor (Antonio Carlos Jobim/Vinicius de Moraes)

Vivo Sonhando (Antonio Carlos Jobim)

8 comentários:

Anônimo disse...

Paul
Este po: coisa mais linda e cheia de graça.
:-)
Carambola

Anônimo disse...

post

:0)

he he

Carambolinha

Érico Cordeiro disse...

Grande Paul,
Que discaço. Tem uma edição da revista Brasileiros (não sei se circula por aí) com um artigo do Ruy Castro contando as histórias por trás das gravações.
Há desde as brigas quase "secretas" entre João Gilberto e Stan Getz (João só chamava o saxofonista de burro e o grande Tom traduzia os xingamentos como se fosssem elogios) até a mágica feita pelo produtor Creed Taylor para adequar a voz da Astrud às gravações.
Indispensável mesmo!!!!!!!!
Abração!

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

ai ai
muito engrazado Erico, esta sua nota ai sobre o texto...o cavalherismo do Tom Jobim e o temperamento do Joao Giberto, nao....a Astrud Gilberto foi uma cantora ocasional nesta gravazao...mas deu certo...isto foi pura alquimia mesmo...
esta valendo ..

abs
paul

Anônimo disse...

Paul querido,

Maravilha de Bossa!

Tenho dois cds que foram comprados em Singapura e tem o melhor da Bossa Nossa com: Jobim,Joao Gilberto,Nara Leao e por ai vai.Pena que nao tenho mais cds...Sou fa de carteirinha desses mestres.

Ja repassei seu blog do muzamusica pra todos os amigos que conheco...nao pude me segurar,o que e bom pede pr ser divulgado!rsr..


P.S:Adorei o pouco que vc colocou do Lo Borges.

Ah,quando voce ira colocar algo sobre Belchior???Vc tem algum criterio de selecao??Tenho muitas saudades das musicas dele...seria muito legal se um dia ele viesse fazer show aqui na Florida.


Thanks!
Beijao pra vc e pra Lu!

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

olha
eu vou postar o Belchior no Saudosas Bolachas de 1974.(..ainda estou em 72.)..foi qdo ele gravou o primeiro disco dele "Palo Seco"...lindo por sinal..vale a pena esperar.. :0)
obrigado pelo comentario e pela forza em divulgar o MusaMusica.
abs
bjs
paul

pituco disse...

paul,
nothing but bossa..rs

após 50 e poucos anos,a música do maestro jobim e o som de joão gilberto continuam modernos e eternos...piramidal

abraçsons

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

valeu pituco
eh isto mesmo
eterna modernidade
absons
paul