12/04/2010

Saudosas Bolachas (08/1973)

A Latitude Nordestina no Quadrante das Ruas


PESSOAL DO CEARÁ
(EDNARDO, RODGER E TETTY)
MEU CORPO/MINHA EMBALAGEM/
TUDO QUE É VIAGEM”(1973)

Em Fortaleza, Ceará, desde os anos 60 uma fermentação musical ocorria na cidade reunindo músicos jovens embebidos pelo rock, pela contra cultura e pela tradição musical do local que além do canto regional; trazia o cordel e ainda, uma forte tradição poética literária.
Os pontos de encontro desta comunidade giravam entre a Faculdade de Arquitetura de Fortaleza e o Bar do Anisio no centro da cidade. O Pessoal do Ceará foi um produto inventado pelo produtor Moracy Do Val para oferecer ao publico do sul do Brasil a idéia de uma versão cearense dos Novos Baianos.
Na verdade Ednardo, Rodger Rogério e Tutty eram músicos que se conheciam e eventualmente cantavam juntos e tocavam composições um do outro. Mas não havia entre eles a coesão comunitária que havia nos Novos Baianos. O grupo de fato não era um grupo; mas sim, no melhor sentido, uma amostra da produção musical decidadamente moderna naquele momento, no Ceará.
O fato em si trouxe a tona a realeza e a beleza de Ednardo, cantor e compositor de importante expressão a partir de então. Trouxe a bela voz , preciosa, doce e afinada de Tutty e as composições expressivas de Rodger Rogério.
O álbum tem uma beleza lírica impressionante , traz arranjos criativos com a mão do bossa novista Hareton Salvanini, que , seguindo a tônica imperativa, mixou temas folclóricos com temas de rock e musica pop; dando ainda assim, um clima de suavidade intensa .

Terral (Ednardo)

Curta Metragem (Rodger Rogério / Dedé -José Evangelista)

Falando da Vida (Rodger Rogério / Dedé -José Evangelista)



FAGNER
"MANERA FRU-FRU" (1973)

Em 73 o cantor cearense Fagner que chegou ao Rio em 72 depois de descer pelas regiões centrais do Brasil vencendo concursos universitários com sua voz escarniçada, afinada e tocante.
Provindo de um ambiente onde a musica de Belchior florescia, Fagner ganhou notoridade com a gravação de sua “Mucuripe”(Belchior/Fagner) por Elis Regina (1972).
Com este prestigio as portas da gravadora Phillips se abriram ao cantor compositor que grava “Manera Fru Fru” trazendo a tona uma musica notadamente urbana e nordestina.
Com produção de Roberto Menescal e arranjos de Ivan Lins e participações de Nana Vasconcellos e Nara Leão. Fagner traz um repertório onde canta versões folclóricas como em o “Canto do Tiê”(com Nara Leão) , clássicos regionais como o “O Ultimo Pau de Arara”( Venâncio / Corumba / José Guimarães) e outras mescladas de ritmos nordestinos com ritmos de rock e musica pop como a própria canção titulo do álbum “Manera Fru Fru”(Fagner/Ricardo Bezerra).

Último Pau-de-arara (Venâncio / Corumba / José Guimarães)

Pé de Sonhos (Petrúcio Maia / Brandão) with Nara Leao

Manera Fru Fru Manera (Fagner / Ricardo Bezerra)



DOMINGUINHOS
FESTA NO SERTÃO” (1973)

Dominguinhos afilhado musical de Luiz Gonzaga, de quem ganhou uma sanfona depois que Luiz o viu tocando na rua na porta de um hotel no Recife.
Sanfoneiro desde a infância, Dominguinhos chegou ao Rio de Janeiro com 14 anos de idade tocando na rua, em festas, concertos e restaurantes.
Sua habilidade e destreza no teclado da sanfona lhe rendeu a admiração necessária para que calgasse adiante se apresentando em programas de rádio e consequentemente a gravar discos; como de fato iniciou em 1964.
Depois de gravar três discos, em 66 Dominguinhos retorna ao Pernambuco onde permanece por alguns anos. Em 73 ele volta ao mercado discográfico e as apresentações trazendo composições próprias e desenvolvendo um estilo mais arrojado em que ao mesmo tempo em que imprimia ritmos notadamente nordestinos trazia a inovação com a incorporação de novos sotaques de músicas urbanas.
Este estilo aproximou Dominguinhos de um universo pouco freqüentado por músicos de sua natureza, a MPB . Desde então Dominguinhos passou a ser requisitado em gravações e shows. Passaria a gravar com Gilberto Gil, Gal Costa, Chico Buarque entre outros.

Amor estou voltando (Dominguinhos)

Festa no sertão (Dominguinhos)

Homenagem a Pixinguinha (Dominguinhos)



QUINTETO VIOLADO
"BERRA-BOI" (1973)

Depois do album de estréia em 72 o grupo pernambucano, Q uinteto Violado, volta em 73 com o mesma suavidade musical interpretando musica regional nordestina com um tratamento requintado e coeso.
MarceloMelo(violão), FernandoFilizola(viola), Luciano Pimentel (percussão), ToinhoAlves(baixo) e Sando (flauto) seguima em frente transformando ritmos regionais, nordestinos, em musica urbana. Outrossim, difundido este gênero musical para as sociedades urbanas, inserindos desta forma este gênero musical de forma que, definitiva, no cenário da musica brasileira.
Neste álbum de 73 o grupo reúne composições próprias e trazem uma inédita do sanfoneiro Dominguinhos.
A faixa “Abraço a Hermeto” demonstra a sintonia do grupo com a vertente contemporânea daquele momento. Hermeto Paschoal, musico , compositor pianista nordestino ligado ao Jazz; que naquele momento começava a sua carreira solo brilhando nos Estados Unidos e Europa.

Vaquejada (Toinho Alves / Luciano Pimentel / Marcelo Melo)

Abraço ao Hermeto (Sando / Toinho Alves)

Forró do Dominguinhos (Dominguinhos)

2 comentários:

pituco disse...

parla, paul...

tá sentindo falta das saudosas bolachas...hehehe...e vem com gosto nordestino...mutcho bom

abraçsons
ps.a galera aqui tá curtindo pacas as fotos aqui ao lado...eu também

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

pituco sempre presente.
muito obrigado grande amigo virtual blogueiro.
vamos comer uma carne seco com farofa e baião de dois...he he
abraços ai a terra do sushi.
legal q vc curte as fotos q tenho postado..
abs
saudações
paul