09/08/2010

Saudosas Bolachas (15/1973)

03 mulheres…03 diferentes ritmos…


ROSINHA DE VALENÇA
ROSINHA DE VALENÇA (1973)


Cantora, violonista, concertista e compositora brasileira nascida em Valença, no interior do Estado do Rio de Janeiro, Rosinha de Valença (1941-2004), ainda criança começou a tocar violão influenciada por seu irmão mais velho, Roberto, que mantinha um conjunto regional com ensaios dentro de sua casa. Aos 12 anos Rosinha já impressionava pelo talento que desenvolve no violão. Em 63 muda-se para o Rio e dedica-se profissionalmente a musica. Toca nos bares, na noite e logo seu caminho se cruza ao de Baden Powell e passa a tocar no Beco das Garrafas e grava o seu primeiro album.
Em 64 começa a trabalhar com Sergio Mendes e faz parte do grupo Brasil 65 com o qual gravou dois álbuns. Seguiu carreira solo vivendo por oito anos entre a Europa e Africa. Voltou ao Brasil no inicio dos 70 e iniciou um trabalho de pesquisa e valorização instrumental da musica brasileira. Ela foi quem fez os arranjos de cordas dos primeiros discos de Martinho da Vila.
Em 1973 ela grava um belo disco instrumental voltado quase que integralmente aos ritmos nordestinos. O disco foi gravado pela Som Livre e lançado simultaneamente no Brasil e na França pela Barclay.

Característica: instrumental
Gravadora: Som Livre
Produtor: João Mello
Formatos: (LP/1973), (CD/2006)

“Cabloco Ubiratan”(Dominio Publico/adaptação Rosinha de Valença)

“Araponga”(Rosinha de Valença)

“Bala com Bala”(Belchior/Joáo Bosco)




BETH CARVALHO
“CANTO PARA UM NOVO DIA”(1973)


Beth Carvalho (Rio de Janeiro, 1946) desde a sua infância se via envolvida pela musica. Seu pai João Francisco Leal de Carvalho, bacharel em direito, tinha amizade com Silvio Caldas, Elizeth Cardoso e Aracy de Almeida que frequentavam usualmente a sua casa, onde sempre havia um bandolim e um violão para agradáveis reuniões musicais.
Sua carreira se deu inicio em 67 como cantora do Conjunto 3D, onde ao lado do ator/cantor Eduardo Conde faziam a dupla de crooners do grupo liderado por Antonio Adolfo.
Com o fim do conjunto em 68 ela participou do show /movimento “Musica Nossa”, idealizado pelo jornalista Armando Henrique.
Seu grande momento neste período foi cantar “Andança”(Edmundo Souto/Paulinho Tapajos/Danilo Caymmi) que conquistou o 3.o lugar no FIC 68 e teve grande popularidade.
Seu primeiro album “Andança” foi lançado em 69 e traz uma cantora entre a MPB, a musica de protesto e o samba.
Depois deste período ela volta a gravar somente em 73. Em “Canto Para Um Novo Dia” Beth ressurge como cantora de samba envolvida com o trabalho de Joáo Nogueira e Nelson Cavaquinho. Gravado pela Tapecar trazendo arranjos de Cesar Camargo Mariano, o segundo album solo de sua carreira pavimenta o caminho que a cantora seguira desde então, até hoje.
Musicos participantes:
Dino 7 Cordas, Luis Claudio, Geraldo Vespar, NelsonCavaquinho (violão) ZeMenezes, Carlinhos (cavaquinho), Luizao (bass),Cesar Camargo Mariano
(piano, organ, arrangements), Paulinho (drums), Marcal, Gilson de Freitas, Geraldo da Silva, Jorge Jose da Silva, Luna, Ministro, Wilson Carmegal, Bezerra, Eliseu, Conjunto Nosso Samba, Chico Batera, Martinho da Vila (percussion),Maurilio, Darcy (piston) Jorge Ferreira, Jaime Araujo (sax, flute)

“Fim do Reinado”(Martinho da Vila)

“Canto Por Um Novo Dia”(Garoto da Portela)

“Folhas Secas”(Nelson do Cavaquinho/Guilherme de Brito)




SIMONE
SIMONE (1973)

Simone Bittencourt de Oliveira, nascido no dia do Natal em 1945 em Salvador, Bahia, filha de um cantor amador de óperas e uma mãe que tocava piano e violão aprendeu desde a sua infância a apreciar musica erudita e popular. A família mudou-se para São Paulo no inicio de sua adolescência. Cursou a Faculdade de Educação Fisica em Santos, SP e tornou-se uma destacada jogadora de basquetebol, chegando a ser convocada por duas ocasiões para a Seleção Brasileira.
Em 1972 ela conheceu numa festa na casa de amigos o gerente de marketing da Odeon que se impressionou ao vê-la cantar acompanhada de um violão numa roda de amigos. O convite para um teste na gravadora deu a ela um contrato de 04 anos tornando Simone uma cantora que nasce dentro de uma perspectiva mercadológica de gravadora.
Em se tratando dos anos 70 o resultado é interessante e voltado a pavimentação da chamada MPB. Simone dona de voz analasada e de timbre grave tinha ao mesmo tempo uma suavidade e um enlevo que dava relevo ao seu canto.
Seu primeiro album “Simone”(1973) traz canções de Taiguara, Joyce, Ivan Lins, Lô e Marcio Borges, entre outros. Um retrato expressivo de compositores voltados para a musica popular naquele período.

Ficha Técnica
Produtor Fonográfico: Ind.Elet.e Musicais Fábrica Odeon. S.A
Diretor de produção: Milton Miranda
Diretor musical: Maestro Gaya
Assistentes de produção: Elô e Paulo Leivas
Orquestrador e Regente: Maestro José Briamonte
Diretor Técnico: Z.J.Merky
Técnico de Gravação: Zilmar Araújo
Técnico de Laboratório: Willy Paiva Moreira
Lay-out: Joselito
Fotos: Paulo Leivas

“Tudo O Que Vocë Podia Ser”(Lö Borges/Marcios Borges)

“Encontro Marcado”(Joyce)

“Caminho do Sol”(Dalto/Rogerio Duarte)

4 comentários:

pituco disse...

grande paul,

discaços...os arranjos eram 'coisa de gente grande'...rs

e incrível como a simone, joyce, são cantoras que continuam com a mesma voz...o timbre não muda e o vigor nas interpretações é idêntico...beleza

obrigadão
abraçsons

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

tens razão pituco. e interessante q em seu primeiro album a Simone gravou uma musica da Joyce.
abs
paul

Anônimo disse...

Nice dispatch and this mail helped me alot in my college assignement. Thank you as your information.

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

you are very wellcome.

take care
paul