19/04/2011

SAUDAÇÕES AO VALENTE

centenário do nascimento de Assis Valente

ASSIS VALENTE

(1911-1958)

Assis Valente é um dos sambistas surgidos na década de 30 que contribuíram para que este gênero musical tornar-se mais encantador e popular. Na voz de Carmem Miranda, que gravou mais de 30 de suas 154 composições, sua musica trazia a meticulosidade do choro, o tempero das rodas de samba e das capoeiras. Aliava a isto letras diretas e contundentes, versos bem elaborados com temas ligados a cultura urbana do Rio de Janeiro.

Autor de sambas como “Brasil Pandeiro”, “Camisa Listrada”, “Boneca de Pano” e “O Mundo Não Se Acabou” ainda nos deixou “Boas Festas”, o clássico da musica natalina Brasileira (Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel…) e ainda, um clássico das Festas Juninas com “Cai Cai Balão”.

Assis Valente nasceu no interior da Bahia, no dia 19 de março de 1911, na cidade de Pateoba, na região de Santo Amaro da Purificação. Mudou-se durante a infância para Salvador onde estudou no Liceu de Artes e Ofícios onde além de se destacar como desenhista se tornou Protético Dentário.

Depois de ganhar um prêmio Estadual como desenhista, ele se mudou para o Rio de Janeiro em 1927 e passou a colaborar como ilustrador para as revistas “O Cruzeiro”, “Fon-Fon” e “Shimmy”, e estabeleceu-se como protético, área em que atuaria ate sua morte precoce em 1958.

"Já faz tempo que eu pedi

Mas o meu Papai Noel não vem

Com certeza já morreu

Ou então felicidade

É brinquedo que não tem" (de: "Boas Festas")

Foi através do desenho que ele conheceu a musica. Neste meio artístico conheceu Heitor dos Prazeres (sambista e pintor) que o levou a conhecer a noite carioca, os cassinos, as rodas de samba, a Mangueira e a vida boemia.

Em 32 Assis compõe o samba natalino “Boas Festas” que ao ser gravado por Carlos Galhardo em 1933 faz estrondoso sucesso. A partir deste evento ele se torna um compositor conhecido e respeitado no Rio de Janeiro tendo, em Carmem Miranda um tipo de porta voz. Entre 1933 a 1940, Carmem gravaria 25 musicas de Assis Valente.

Mesmo assim, em 1938, quando Assis compõe especialmente para Carmem o samba “Brasil Pandeiro” ela recusou a canção.

Em 1939, casou-se com a jovem (15 anos mais nova) Nadily da Silva Santos com quem manteve uma relação passional e conturbada. Em 1941, apesar do sucesso de sua musica lírica e envolvente, Assis tenta o suicídio saltando do Corcovado no feriado do dia 13 de Maio. A copa de uma arvore reteve que seu corpo alcançasse o solo. O seu resgate levou mais de 4 horas de duração e ganhou amplo destaque da mídia que noticiava como absurda a tentativa de suicídio de tão celebre e popular compositor.

"Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor

Eu fui à Penha e pedi à padroeira para me ajudar

Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ver

Eu quero ver o Tio Sam tocar pandeiro para o mundo sambar" (de: "Brasil Pandeiro").

Assis passou os anos 40 desfrutando do prestigio e compondo intensamente. Porém nos anos 50 experimentou a comum sobreposição de gerações musicais e, não se sabe bem, se foi por motivos econômicos ou outros que na tarde do dia 11 de março de 1958 ele sai de seu escritório de Prótese Dentária levando um frasco de formicida consigo. Num bar compra guaraná e ao chegar à praia mistura o formicida ao guaraná. Sentado num banco tomou a mistura. Levantou-se e cambaleando deu alguns passos e caiu no chão onde ficou tremendo por alguns instantes até parar definitivamente.

A polícia logo chegou ao local e avisou a um jornalista que chegou para saber quem estava ali.

- É o protético do outro lado da rua.

Era um dos grandes sambistas desta terra de gente bronzeada.


“Boneca de Pano” (Assis Valente),Quatro Ases e Um Coringa, 1950

“E o Mundo Não Se Acabou” (Assis Valente), Eliete Negreiros, 1996

“Brasil Panedeiro” (Assis Valente), Novos Baianos, 1974

“Alegria” (Assis Valente), Tadeu Franco, 1987

“Uva de Caminhao” (Assis Valente), Uva de Caminhao, 1935

“Camisa Listrada” (Assis Valente), Maria Bethania, 1997

“E Bateu-se A Chapa” (Assis Valente), Silvia Maria, 1997

“O Vento e a Rosa”, (Assis Valente) Clara Nunes, 1975

“Fez Bobagem” (Assis Valente), Elza Soares, 1961

“Cai Cai Balao” (Assis Valente), Francisco Alves e Aurora Miranda, 1936


“Boas Festas” (Assis Valente), Natal com Cavaquinho, 2010

3 comentários:

Érico Cordeiro disse...

Uma vida trágica, mas que produziu pérolas como as que você postou nas radiolinhas, meu caro paul.
Um dos nossos grandes compositores, inteligente, sagaz, crítico, bem-humorado.
E ainda tem a maravilhosa "Recenseamento", dos versos:
Em 1940
lá no morro começaram o recenseamento
E o agente recenseador
esmiuçou a minha vida
que foi um horror
E quando viu a minha mão sem aliança
encarou para a criança
que no chão dormia
E perguntou se meu moreno era decente
se era do batente ou se era da folia...

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

sim erico
sem duvida...
entre mais de 154 composições que Assis compôs, há centenas de pérolas, senão todas.
abs
paul

pituco disse...

grande paul...

curti a postagem...e os áudios tão bacanudos pacas...

curtindo o som
abraçsonoros