18/04/2009

Alex Moreira ( ENTREVISTA /2a.Parte)

Alex, Carlos Lyra, Cris Delanno, Marcos Valle e Roberto Menescal.

Escute Remix exclusivo feito por Alex Moreira na versão de "Mais Que Nada"(Jorge Benjor) gravada pelo Tamba Trio.


Escute musica “O Que Fazer Pra Ser do Bem” de Nico Rezende e Alex Moreira.



7.BossaCucaNova. Como surgiu o grupo? O grupo nasceu com uma proposta definida de fazer bossa nova eletronica de cara? algo assim?
R: O BossaCucaNova surgiu em 1998, quando eu (Alex Moreira) , Marcio Menescal e Marcelinho DaLua trabalhávamos como técnicos no estúdio do Roberto Menescal e nas horas vagas produzíamos alguns trabalhos de artistas novos e tinhamos um pequeno selo chamado Cucamonga Records. Fizemos uma viagem a NY para um feira de audio a fim de comprar equipamentos para o estudio. Lá vimos a cena de ACID JAZZ, as bandas misturavam Jazz, hip hop, funk e isso nos encantou. Resolvemos então fazer um remix de um claássico de Bossa Nova ("Só danço Samba" com Os Cariocas) só para ver como ficaria. Tentar fazer uma sonoridade parecida com aquela que ouvimos no Acid Jazz. Nós mostramos para "Os Cariocas " e eles adoraram e isso nos incetivou a fazer um Album inteiro de remixes de tracks originais. Colocamos o nome desse album de "BossaCucaNova Revisited Classics".
Em 2001 fizemos nosso segundo album junto com Roberto Menescal (Brasilidade) e em 2004 lançamos"Batida Diferente".
E agora lançamos o DVD + Cd ao vivo "BossaCucaNova ao Vivo, uma celebração aos 50 anos da Bossa Nova", nosso primeiro DVD em que registramos o nosso show que já tem 10 anos de estrada e que é bem diferente do que o BossaCucaNova faz nos Cds e além disso tem um documentário de 1 hora de duração e que narra a nossa maneira, a história da Bossa Nova e do BossaCucaNova. Nesse novo projeto reunimos vários artistas de diferente gerações e foi muito legal ter feito.
O mais legal é que esse projeto me aproximou do lance de fazer música para cinema.

Alex, Cris e Jorge Israel.

8.O que voce pensa da frase de Lobão : “A bossa já não é tão nova, como pensam os americanos” contida na sua musica “Ao Mano Caetano”?
R: Acho o Lobão um artista muito legal, um cara sincero e irreverente. Acho que ele é meio Chacrinha, veio para tocar o rebú. Gostaria somente de registrar que gosto muito do Lobão e que ele é impagavel!
Prefiro não comentar essa frase, acho que a história já mostra tudo...

50 anos de Bossa/Apto. de Nara Leao, Bossacuca e icones da Bossa.

9. A introdução do recurso eletronico/digital na música se dá desde os anos 70. Tivemos o Brian Eno, o David Byrne, os alemães que tinham por vezes até um carater experimentalista. Depois tem este cenário Techno/ Dance na Europa, em SP, desde os anos 90 . Alguns criticam este tipo de recurso, alegam que seja modismo. Que você pode dizer a respeito?
R: A tecnologia veio para ficar não só na música mas em todas as áreas. Hoje em dia quando você entra em um estúdio, o gravador é um computador. Não só para a música eletrônica, mas para todas as músicas, a tecnologia é realmente um avanço muito grande e além disso democratizou todo o processo.
Quanto ao uso de elementos eletrônicos, acho que é realmente mais uma sonoridade que temos que aproveitar, assim como a guitarra elétrica foi incorporada na Pop, o eletrônico veio para ficar. O rótulo de "Música eletrônica" é algo que remete as raves e esse "bate estaca" que realmente eu não gosto, mas é uma forma de expressão e merece o respeito.
É lógico que como esses elementos são muito recentes e a figura do DJ como músico também, muita água vai rolar, a coisa vai ficar mais musical ainda. O importante é não ter preconceito. É claro que como tudo na vida, tem que saber usar e dosar.

50 anos de Bossa

10.Você produziu o último disco de Cris Delanno e agora esta desenvolvendo um projeto como o sugestivo nome de “Um banquinho e um laptop” e inclusive compondo músicas com ela. Como esta sendo este trabalho?
R: Conheço a Cris há 20 anos, desde quando ela era uma jovem vocalista que cantava nos coros em diversas gravações. Sempre fomos amigos. Ela sempre se destacou, sabe, chamava a atenção.
Anos depois ela virou a super cantora Cris Delanno, que também é a cantora do BossaCucaNova (sorte nossa, risos). Alguns anos viajando juntos , surgiu o amor que acho que estava guardado para o momento certo de nossas vidas.
O Album Cris Delanno foi feito sob encomenda de uma gravadora japonesa e por minha insistência foi gravado ao vivo no estudio, inclusive a voz. Queria mostrar que a Cris é realmente uma das maiores intérpretes da música brasileira e que tem uma maneira única de interpretar canções. Esse album foi gravado em dois dias com arranjos do Roberto Menescal, meus e do Flavio Mendes. Foi um album em que eu coloquei em prática o meu aprendizado de Cucamonga e cuidei de tudo, das músicas, dos musicos, do orçamento, da capa, gravei mixei, servi café... É como um filho pra mim. Marcou uma mudança grande em minha vida pois nessa época me casei com a Cris e descobri o significado da palavra parceria.

Alex e Cris, casal.

Depois veio o lance de compor, que na realidade começou com um album do Nico Rezende que produzi e fiz 3 letras para canções dele. A Cris vai além do canto, ela toca piano, flauta, sabe todas as molodias com precisão enfim, Cris é música. Inclusive tem uma muisca que o Menescal e o Aldir Blanc fizeram para ela chamada "Eu e Música". Eu sempre vi isso nela.
Ai sabe como é: fiz a cabeça para começar a compôr melodias. É claro que essas melodias vieram muito boas e começei a letrar o que vinha: Samba, Chorinho, Bossa. Acho que a música ganha muito com a cumplicidade.
Temos 14 canções, algumas minhas e dela, outras com parceiros. Fazemos os encontros sempre “à moda antiga”, encontrando pessoalmente, várias vezes, em que a Música é o prato principal. Parceiros como o Hyldon (Soul man Brasileiro que fez "Na Rua, na chuva, na fazenda), George Israel, o rapper Gustavo Black Alien (que fizemos uma valsa, bem diferente do universo dele), tem uma da Cris com a Joyce.
Foi daí que veio a ideia de fazer o show "1 Banquinho, 1 Lap top". Era um lugar para tocar nossas músicas, aperfeiçoá-las, mostrar para o público. Começou com uma data que pintou por acaso (queriam um show da Cris tipo Bossa Nova eletrônica Lounge) e não tinhamos nada montado então tive a ideia de fazer essa jogada , e não é que deu certo?!
Fizemos vários shows e está sendo muito prazeroso fazer esse show, sabe? Muito divertido, família junta, coisa que realmente enche o coração de alegria e tira aquela coisa desgastante da vida na estrada. Você viu em Hollywood Beach, o maior astral!
Temos o plano de fazer um album basicamente autoral chamado "O quintal da nossa casa, o amor e outras estórias", que será um album autoral da Cris e meu também. O retrato da nossa felicidade.

Gravando.

11.Em 2007 o BossaCucaNova esteve aqui em Miami e fez um show incrivel, com excelente repercussão. Há planos para voltar por aqui em breve? Ainda; há planos para uma nova produção doBossaCucaNova?
R: Fizemos naquela concha acústica da Collins e foi demais! Tipo 1000 pessoas em um lugar que só dá 800, foi um show inesquecível! Temos uma data em Outubro, eu acho. O Gene de Souza sempre está armando alguma coisa por ai. Em Abril o DJ DaLua vai para discotecar.
Estamos acbando de lançar o DVD + CD ao vivo, mas também temos um novo album na gaveta com algumas coisas prontas e outras a caminho. Já temos uma com a Elza Soares (A pedida é Samba), uma com o Emílio Santiago (É preciso perdoar) e outras por gravar.
Como tudo que aconteceu no BossaCucaNova, estamos fazendo com muita calma, tranquilidade no melhor jeito Dorival Caymmi de ser.
O BossaCucaNova é acima de tudo é um grupo de amigos que se reunem para fazer música. Nós fazemos muitos remixes para outros artistas, todos os integrantes são produtores e tem projetos paralelos e temos que respeitar o tempo de todos.
No momento é celebrar o DVD e Cd ao vivo e fazer shows por ai, se divertindo muito!

O canal de Alex.

12. Que filme vc esta fazendo com o Jaques Morelembau? R: É uma produção brasileira do diretor Jose Jofiliy chamada "Olhos Azuis”. O Jaquinho fez a trilha e convidou para participar (mixando e criando sons para umas cenas de tensão). O Jaquinho é um super músico-maestro e foi muito legal poder aprender com ele alguns segredos dessa arte. É meu quinto filme e está sendo muito bom essa nova vertente de trabalho.
Vou começar também uma produção americana (que não posso falar o nome ainda pois não assinei contrato) e estou super empolgado com o cinema!
O Cinema tem um enfoque bem diferente da música, pois você tem que mergulhar no filme e fazer tudo para as cenas e não o contrário.
Tem casos em que o diretor filmou com uma música que não pode ser usada por motivos de Copyright e você tem que fazer alguma coisa semelhante. É um desafio.
Ah! Como eu gosto de desafios! A vida seria muito parada sem eles!

2 comentários:

tanianaodesista disse...

perfeito .gostei da entrevista.deu pra conhecer muito bem o entrevistado..passado presente .e futuro.MUITO BOM! mande outras!
tanianaodesista

PAUL CONSTANTINIDES disse...

valeu tania
abs
paul